Seja bem vindo à nosso site

Deus, o Todo Poderoso.

“Sendo, pois, Abrão da idade de noventa e nove anos, apareceu o SENHOR a Abrão, e disse-lhe: Eu sou o Deus Todo-Poderoso, anda em minha presença e sê perfeito.” (Gênesis 17:1).

Quando Abraão ainda se chamava Abrão, Deus lhe apareceu certo dia, e se manifestou a ele como “o Deus Todo-Poderoso”. O motivo desta apresentação não foi a toa, Deus queria lembrar a Abrão quem ele era. O seu servo estava desanimado, descrente das promessas que recebera. Havia vinte quatro anos que ele esperava pelo cumprimento de uma promessa que era a razão de sua existência. Para Abrão fazia uma eternidade, mas Deus não havia se esquecido. Então o Senhor decidiu por fim a espera de seu servo, e conceder-lhe a vitória.

A promessa inicial dizia: “far-te-ei uma grande nação”(Gênesis 12:2). Porém, tanto tempo depois, Abrão permanecia sem filhos de sua esposa, ambos já estavam velhos, já havia cessado em Sara o costume das mulheres, e aos olhos humanos o cumprimento da promessa de Deus se tornara impossível.  Na verdade para o homem seria mesmo impossível, mas não para “o Deus Todo-Poderoso”. Para aquele que criou todas as coisas e as sustenta pela palavra do seu poder, não existe impossíveis.

Talvez você possa ter um problema semelhante ao de Abrão, talvez você espere por uma promessa que, como a dele, pareça impossível de se cumprir. O que você não pode é, como ele, se esquecer que Deus não pode mentir, e que o Senhor jamais se arrepende de suas promessas. Naquele mesmo dia, Deus anunciou a Abrão o nascimento de seu filho Isaque, que aconteceu exatamente um ano depois daquela data. E ainda mudou o seu nome para Abraão, que significa pai de muitas nações. Ainda que para nós pareça que passou da hora, no tempo certo, “o Deus Todo-Poderoso” nos entrega a vitória.

Só que junto com a declaração de que era poderoso para cumprir sua promessa na vida de Abraão, Deus também lhe fez duas exigências. O Senhor dá vitória a seus servos, porém também requer deles fidelidade.

A primeira exigência de Deus foi: “anda em minha presença”.O servo do Senhor não pode andar errante, nem tão pouco pode seguir os caminhos incertos do seu coração, isso quem faz são os ímpios e o final do caminho deles não é feliz. Deus deseja coisas bem melhores para os seus. “Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá.” (Salmos 1:6).

A única forma de ficar livre do caminho que perece é andando com Deus, por isso o Senhor exige que os seus servos andem na sua presença. Se andarmos sozinhos, fatalmente tomaremos o caminho errado. Porque para quem não conhece a Deus, ou seja, para quem não anda com ele, este caminho parece ser bom: “Há um caminho que parece direito ao homem, mas o seu fim são os caminhos da morte.” (Provérbios 16:25) Já quem anda com Deus, esta sempre no caminho da vida. Não arrede jamais o seu pé da presença de Deus, porque ele entregou o seu filho Jesus, para que o que anda com ele“não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16).

Deus ainda faz uma segunda exigência: “sê perfeito”.

 Trata-se de uma missão impossível de se alcançar plenamente?

Enquanto nessa carne pecaminosa certamente.

O Senhor, porém, quer ver o nosso esforço. O que ele deseja é que isso seja o nosso objetivo. Pois ele é um Deus infinitamente Santo, sendo assim, seus servos não podem ser escravizados pelo pecado. Nós precisamos buscar também para as nossas vidas desta sua santidade, isso é o que ele quer para nós: “E ser-me-eis santos, porque eu, o SENHOR, sou santo, e vos separei dos povos, para serdes meus.” (Levítico 20:26).

São este que buscam a santificação, que procuram ser fieis. São os que atendem o chamado para andar na sua presença. São a estes, que os olhos do Senhor estão a procurar para que estejam com ele para sempre: “Os meus olhos estarão sobre os fiéis da terra, para que se assentem comigo; o que anda num caminho reto, esse me servirá.” (Salmos 101:6) E é também na vida destes que as promessas dele se cumprem.

Atendendo o chamado para andar na presença dele, buscando a perfeição que há nele, para ver cumpridas na minha vida todas as promessas do “Deus Todo-Poderoso”.

Sidone Gouveia

Autor