Seja bem vindo à nosso site

A promessa da morte (Uma Páscoa Vazia)

a-pascoaAlguns políticos em época de campanha eleitoral fazem muitas promessas, mas assim que ganham não as cumprem. Isso se repede em todos os períodos eleitorais, certo? Por que então as pessoas continuam votando em políticos que prometem aquilo que não será cumprido? Simples, o ser humano prefere acreditar nas mentiras que os agrada do que crer nas verdades que os cura. O resultado disso é desastroso, pois vivemos em um mundo de mentiras.

Um bom exemplo disso é o período da Páscoa onde muitas crianças recordam com facilidade dos ovos de chocolate e coelhinhos em detrimento do seu real significado bíblico. Isso acontece por conta dos ensinos propagados por líderes, ditos cristãos, que se assemelham muito com os governantes de nossa nação. Pessoas que falam apenas o que agrada o “público alvo”, ainda que seja uma mentira. Os pais cristãos e suas crianças precisam entender o real significado da Páscoa para que não terminem descobrindo a verdade só no inferno. Mas o qual é o real significado da Páscoa?

A Páscoa aponta para a morte do Cordeiro de Deus

Um dos motivos que distorcem a mensagem da Páscoa e a sua relação com a morte. Muitos líderes cristãos preferem pregar sobre “vitória”, “prosperidade” ou “humildade” para garantir a satisfação do auditório. “Quem gosta de ouvir uma mensagem de morte”, questiona alguns pastores? Ainda que não gostem a verdadeira Páscoa aponta para a morte.

Quando Moisés pediu ao rei do Egito pela libertação de seu povo ele não aceitou o pedido, e isso se repetiu até que uma praga violenta matou os filhos mais velhos de todas as famílias egípcias. Os primogênitos dos hebreus, porém, não morreram. Por que?

O livro de Êxodos capítulo 12 verso de número 5 diz que a vida dos filhos dos hebreus foram poupadas por meio da morte de cordeiros, uma prática comum no Antigo Testamento. Abel e Abraão, por exemplo, já sacrificavam animais em adoração a Deus antes mesmo do estabelecimento da Páscoa.

Isso nos parece estranho, principalmente em um tempo onde os direitos do animais crescem aceleradamente. O movimento vegano, por exemplo, que não utiliza nenhum produto de origem animal, já representa dois porcento da população do Reino Unido. Para eles o ser humano não possui o direito de explorar os animais.[1] Vamos rasgar as páginas sobre a morte dos animais para agradá-los?

Ainda que politicamente incorreta essa prática foi repetida por Jesus. Em Lucas 22.7 ele manda seus discípulos prepararem a Páscoa, ou seja, matar um cordeiro. Por que Jesus não mudou essa prática que parece ser tão cruel?

Simples, a morte do animal na celebração da Páscoa prefigurava a morte do Cordeiro de Deus, ou seja, de Jesus Cristo na cruz. Ele mesmo disse isso em Lucas 22.7: “Isto é o meu corpo dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim”. Mas por que Jesus morreu?

A Páscoa aponta para o sacrifício do Filho de Deus

O mundo inteiro sabe que Jesus Cristo morreu, mas poucos sabem por qual motivo. Essa é a razão pela qual existe tanta distorção sobre a mensagem da Páscoa.

Em Êxodo 12.13 fica claro que a morte do cordeiro não seria o suficiente para garantir o livramento da morte dos hebreus. Era necessário também espalhar o sangue nos umbrais e nas vergas das portas. Isso tem relação direta com os sacrifícios praticados no Antigo Testamento, porém esse sacrifício só cobria o pecado do homem. Estes sacrifícios eram apenas um prenúncio do grande sacrifício.

Jesus diferente do que muitos pensam não foi morto pelos líderes judeus ou pelo Império Romano. Ele na verdade se entregou em sacrifício por conta de nossos pecados. Derramou o seu próprio sangue, capaz de quitar, de forma definitiva, toda a dívida do pecador para com Deus.

Segundo Paul Washer: “Uma dos grandes males da pregação evangelística contemporânea é que ela raramente explica a cruz de Cristo. Não é suficiente dizer que ele morreu, todos morrem. Não é suficiente dizer que ele morreu uma morte nobre, mártires fazem o mesmo. Devemos entender que não teremos proclamado completamente a morte de Cristo com poder salvador até que tenhamos limpado as confusões que a cercam e exposto seu verdadeiro significado para os nossos leitores ele morreu carregando as transgressões de seu povo e sofreu a pena divina por seus pecados. Ele foi abandonado por Deus e esmagado sob a ira de Deus em nosso lugar”.[2]

Isso foi bem ilustrado durante a guerra entre a Inglaterra e França. Os homens eram convocados para a guerra através de um sistema de sorteio. Numa ocasião, o nome de um certo homem foi sorteado. Quando convocado disse: “Eu não posso ir porque eu já fui e morri há dois anos atrás”. Quando verificaram os seus documentos constataram que havia realmente morrido em uma batalha. Ele então explicou: “Um grande amigo foi em meu lugar”. Napoleão Bonaparte julgou o caso e decidiu que realmente a França não tinha poder legal sobre aquele homem, pois ele já havia morrido na pessoa de um outro.

Jesus foi o grande amigo que morreu na cruz, não por ter cometido algum crime, mas para pagar a nossa dívida com Deus. Se entregou sacrificialmente em nosso lugar ao ponto de morrer para que todo aquele que nele acredita viva a vida eterna.

Conclusão

Como você tem explicado a mensagem da Páscoa? Ainda existe alguma confusão em sua mente em relação a razão pela qual o Cordeiro de Deus morreu de forma sacrificial? Ainda que a mensagem da cruz pareça estranha, precisamos ensinar as novas gerações que foi por meio da morte de um animal inocente que os hebreus foram salvos da praga da morte física no Antigo Testamente. Assim como devemos ensinar que a morte sacrificial de Cristo salva-nos da pior da pragas, a da morte eterna.

Por Alessandro Brito

[1] http://archive.defra.gov.uk/evidence/statistics/environment/pubatt/download/pas2007_data_all.pdf
[2] http://voltemosaoevangelho.com/blog/2013/08/a-cruz-de-jesus-cristo-paul-washer-2026/

Autor